quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Pastel de bacalhau com queijo da Serra : oportunismo e ignorância

Há cerca de 2 anos assistiu-se a uma grande polémica na blogosfera, na sequência de uma declaração da gastrónoma Maria de Lourdes Modesto (MLM), grande defensora da cozinha tradicional portuguesa e com obra temática publicada. A polémica estalou após o blogue Mesa Marcada ter dado eco à indignação da MLM ao referir-se ao controverso pastel de bacalhau com queijo da Serra como  "(...) Duas das mais queridas e conseguidas espeficidades da nossa gastronomia numa pornográfica e ridícula figura (...)". Daqui resultou um incontrolável incêndio nas chamadas redes sociais, uns defendendo e outros atacando, quase sempre com um gritante déficite de argumentação.
Recentemente a Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau, "inventora" desta improvável e gritante ligação, acrescentou um terceiro elemento, o Vinho Madeira (servido em cálice de vidro acrílico, segundo me pareceu). Mas o que é que este fortificado tem a haver com o pastel de bacalhau? Que eu saiba, nada!
Só que se esqueceram de dar um mínimo de formação ao pessoal da linha da frente que atende o público. À minha questão "qual a idade deste vinho?", obtive como resposta que era de 1870! Perante o meu pasmo e mostrada a garrafa, percebi que o ano 1870 fora o da criação da Justino's como empresa familiar. Só então é que foram "lá dentro" perguntar, tendo-me sido dito que, afinal, o Vinho Madeira servido com o pastel de bacalhau e queijo da Serra, não era de facto do século XIX tendo apenas 3 anos de idade.
Mais, nos cartazes que estão expostos com fotografias de Vinho Madeira, aparecem garrafas antigas, uma referente a Malvasia 1904 e outra a Bual 1957, lançando a confusão nos clientes menos informados.  
Oportunismo e ignorância, pois!

Sem comentários:

Enviar um comentário