terça-feira, 16 de maio de 2017

Confronto de revistas de vinhos e a Fugas

1.Confronto de revistas de vinhos
Aí estão à venda a nova Revista de Vinhos (Revista de Vinhos - Essência do Vinho), saída em Abril, e a antiga (VINHO - Grandes Escolhas), acabada de chegar com o nº de Maio.
Enquanto que a nova RV tem 130 páginas, das quais 34 são de publicidade (26 % do total), a Vinho já vai nas 208, das quais 78 contêm publicidade (37,5 %). É bom para elas, mas cansativo para o leitor.
Uma curiosidade: se viradas ao contrário são rigorosamente iguais, pois em ambas as contracapas se encontra a mesma publicidade das Caves da Murganheira (bem com deus e com o diabo?).
A nova RV dedicou algumas páginas ao Dirk Niepoort, Bruno Prats, Murganheira/Raposeira e Bacalhôa (Moscatéis), enquanto que a Vinho se centrou no Esporão, Douro e suas sub-regiões, castas portuguesas no mundo, Bacalhôa (Enoturismo), Rosés e Porto Extravaganza (a nova RV, no nº de Maio, apenas se referiu a uma das 3 jornadas).
Quanto a painéis de prova, a nova RV ficou-se pelos vinhos de supermercado, ao passo que a VINHO se dedicou aos vinhos tintos até aos 10 €.
Mas a grande diferença, na minha óptica, centra-se nos leques de provadores no que diz respeito às Escolhas do Mês (nova RV) e aos Vinhos do Mês (VINHO). Enquanto que esta última conta com um sólido e prestigiado painel (Luis Lopes, João Paulo Martins, João Afonso e Nuno Garcia), a nova RV, perdido o Rui Falcão para outros voos, fica-se por uns tantos pouco ou nada conhecidos, dos quais ressalvo o Manuel Moreira, com provas dadas como escanção.
É claro, para mim, o resultado do confronto : VINHO - Grandes Escolhas,1 - Revista de Vinhos - Essência do Vinho,0. Ao apostar claramente na VINHO declaro-me insuspeito, até porque no passado tive algumas divergências com a antiga Revista de Vinhos e alguns dos seus colaboradores. Mas, apesar de tudo, é a minha gente!
Aguardo com expectativa os próximos encontros de Vinhos e Sabores, a terem lugar no Pavilhão de Congressos (nova RV em Novembro, curiosamente no espaço habitual da antiga RV) e na FIL (VINHO em Outubro). Por qual se decidirão os produtores? Ou vão a todas? A ver vamos...
2.A Fugas : uma pedrada no charco
Leio na última Fugas de 13 de Maio, um corajoso e desassombrado artigo do jornalista Pedro Garcias, crítico e também produtor de vinhos (Mapa, cujo Vinha dos Pais 2013 considero um dos grandes brancos portugueses), onde afirma, a propósito do Adega Mãe Terroir 2013 branco, classificado na nova RV com 14,5, depois de lhe terem sido atribuidos 18 valores na antiga RV e 91 pontos na Fugas, que esta disparidade tem a haver "(...) com o facto de o director da Revista de Vinhos (a nova, entenda-se) estar incompatibilizado com Anselmo Mendes, um dos dois enólogos que fazem o vinho.(...) Este caso é muito mais que uma guerrinha pessoal, pois sabe-se que o novo director da Revista de Vinhos avocou o poder de modificar as notas finais dos seus provadores (...)".
Assino por baixo e dou o meu apoio incondicional ao Pedro Garcias!

Sem comentários:

Enviar um comentário